Feed Rodolfo Escritor

quinta-feira, 28 de julho de 2011

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Vídeos

Olá caros leitores e leitoras do blog!

Venho aqui falar de uma novidade: a partir desse mês postarei sempre um vídeo musical.. para diferenciar um pouco. Concordam?

Nesse mês de inauguração começamos com a nova, mas ainda pouco conhecida do Jason Mraz: "You Fuckin Did It".

Porém, já coloquei uma enquete e quero saber a opinião de vocês para o vídeo do próximo mês. Participem, se tudo funcionar como planejado, esse projeto tem tudo para ser bem bacana.

Abraços:)

domingo, 24 de julho de 2011

You Fuckin' Did It


Nova música do Jason Mraz - You Fucking Did It...
Meio revoltada com a vida.
Eu curti e você?
Mas antes me diga se conseguiu acompanhar o ritmo... Simplesmente relaxante! (pelo menos pra mim)

You fuckin' did it
you really did it yeah
you really did it
you really did it

you really did it
you really did it yeah
you really did it
you really did it

all those who are hangin' round the water cooler
will never believe how you tackled the thousand puzzle pieces
and you could see it before we completed it
before we made it whole
how you put it all together with a blindfold

you're like a long game token that keeps the game goin'
but your claim to fame is how you like to lay low
out of the lime light
which can hurt your eyes

if you're not careful you'll become another devil in disguise

but you watch your back
you watch your back
you're growing eyes in the back of your head
to prevent another sneak attack
sneak attack
you must be keepin' secret weapons in your fanny pack

you're like my laughing gas
you got the cat to dance
you're like Lance on a mountain in the tour de France
you got a wing span spanning the globe
you got gold
and you're teaching us to let go

you're a wise old owl when you're the cat's meow
if this were twelfth grade you'd be my cap and gown
if this were India then you'd be a sacred cow
and I'd bow down to you

so grateful to the gods for making you

CHORUS

you'll be standing up for the equal right of the American people
and you'll be meeting all the influential seekers with a similar dream
you've got a front seat saved that's emblazed with your name
and a super hero cape on

you see the future as a sky full of possibility
with a spryness of mind and a psychic ability
you probably won't die at the hands of an enemy
and not in a den of inequity

You're not the average Joe
you're not the average Jane
you're not above or below
but you're never just plain
you never take no personally
and any time you get stopped you try another way

could we settle for a kiss without a cease and desist
if they ask we won't tell 'cause we're activists
i am that I am and you are that you are
and we're all that is

how p-e-r-f-e-c-t your a-t-t-i-t-u-d-e be

CHORUS

SKATING

When you circumnavigating the turntable call and attracts
like you be jumpin' in the water you be makin' a splash
you be keepin' your heart beat going
and keepin' the harmony going

well there's an awful lot of music styles you could play
well there's an awful lot of tastes
an awful lot of dates you could be on
you be keepin' your back bone strong
and be keepin' the trombone blowin'

well every friend of mine will give each other high-fives
when your beautiful mind is to your own devices
you do what you like and you always like what you try

you touch me like an iPhone application
move me like a smooth jazz music station
doin' what you do in the way that you choose to do them
oh my god

you're quick to be so quotable
damn you got a way with words
you got a magical handshake for saving the earth
you are a generous man
you are so awesome it hurts

and you are a-w-e-s-o-m-e

CHORUS

you are a-w-e-s-o-m-e
you are a-w-e-s-o-m-e

you are a-w-e-s-o-m-e
you are a-w-e-s-o-m-e
you are a-w-e-s-o-me

sábado, 23 de julho de 2011

Ao Lado de um Grande Homem...

Diz o ditado que: “atrás de um grande homem, há sempre uma grande mulher”. Errado! Totalmente errado! Deveríamos substituir por: “ao lado de um grande homem, há sempre uma grande mulher”. Um colega de trabalho citou isso e eu falei que certamente me renderia um texto. E aqui estou cumprindo minha palavra.

A pergunta que martela na minha cabeça desde aquele dia é: porque “atrás de um grande homem”? Porque não “ao lado...”? Quer dizer que a mulher está ali para agir apenas quando o homem errar, quando as coisas passarem por ele?

O homem não faz nada sozinho, pelo contrário, ele precisa ser muito bem auxiliado em suas atitudes por uma companheira que esteja ao seu lado. Não nas suas costas! Sinceramente, nunca ouvi a expressão “nas costas” quando se fala de companheirismo. Alguém já ouviu?

Tenho certeza que se uma daquelas universidades do exterior fizesse uma pesquisa sobre o assunto, certamente ficaria provado que as atitudes mais sensatas são aquelas em que o homem pede a ajuda da mulher. Seja ela sua amiga, namorada, esposa...

Não que o homem não seja capaz, porém, a mulher é auxiliadora e, querendo ou não, a grande maioria delas é mais sábia que os homens.

Entrando agora no casamento, o que mantém a felicidade dentro dele é a união, a parceria entre o homem e a mulher. Quando um casal senta, conversa e chega a uma conclusão sensata, sem brigas; alegres e satisfeitos, é sinal de que um está ao lado do outro. E isso é muito, muito bom para um casamento duradouro!

É por isso que é sempre bom ter uma mulher do seu lado, meus caros amigos homens, pois com certeza na hora do aperto  não digo financeiro; pode ser uma decisão a tomar, um momento difícil..., se ela gosta mesmo de você  seja amor ou simplesmente uma amizade  ela irá te ajudar. E podes crer que na maioria das vezes, o resultado será positivo.

Porque ao lado de um grande homem há sempre uma grande mulher.

Com Você


O que quero hoje? O que quero agora?
Só estar com você...
Só ficar com você...
Abraçados e juntinhos.

No calor a gente esfria
No frio a gente esquenta
Isso é simplesmente perfeito!

Com você tudo é diferente.
Sei lá, é estranho!
Não me pergunte nada,
Pois não terei resposta.

Com você é assim:
Amor, amor, amor e mais nada
Quer coisa melhor do que...
Ficar com você?

Com você, com você, com você

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Tudo é Possível

 
Rodrigo era um bom rapaz. Trabalhador, honesto, não bebia demais, não fumava e nem costumava sair. Ele trabalhava em uma empresa de eventos como promotor e era feliz, quer dizer, fingia ser, pois na verdade, ele não era. Faltava alguma coisa.

O trabalho dele estava um pouco corrido e as ocupações eram tantas que ele começou a não dar conta do serviço. Vendo o que estava acontecendo, seu chefe contratou mais uma pessoa: Juliana, uma morena muito linda, alta, estudante da área... Enfim, essa era a nova contratada da empresa.

A relação entre eles era extremamente profissional, até quando os dois passaram a ir e voltar no mesmo fretado. O dia em que eles começaram a criar uma amizade foi quando o ônibus estava cheio e o único lugar para Rodrigo, foi ao lado de Juliana. Aquele dia foi legal; os dois conversaram de assuntos extra-trabalho coisa que nunca havia acontecido.

Daquele dia em diante, os dois sempre estavam juntos e nunca faltava assunto. Quem gostava do entrosamento entre os dois, era o patrão: “Os dois unidos, é sinal de dinheiro a mais na minha conta”.

Com o tempo, Rodrigo começou a gostar de Juliana (já era de se esperar) e ela também dava sinais disso, às vezes. Porém, algumas vezes, ela ficava muito estranha com ele. Não dava para entender!

Ele aproveitou os dias em que ela estava tranqüila e a chamou para sair. Ela aceitou. Marcaram para o próximo sábado e aguardaram o dia chegar. Para Rodrigo, o tempo parecia não passar. Coisas de apaixonado, sabe como é, “né”?.

Enfim, chegou o dia. E se Rodrigo soubesse que ia ser tão bom, havia feito isso anteriormente. Foram no cinema e tomaram um drinque. Além disso, conversaram e riram bastante. Foi muito legal.

Por algum motivo, os dois estavam “casados” pela galera do fretado. Eles ouviram cochichos e risadinhas do pessoal. Nem ligaram para isso e um certo dia, Juliana mandou uma indireta:

---Rodrigo, já teve a impressão que todo mundo pára “pra” ouvir sua conversa?

Os dias passaram e Juliana já não estava, ou parecia não estar, tão interessada em Rodrigo. E ele percebeu isso, infelizmente, e ficou muito triste. Chamava sempre ela para saírem, mas sempre recebia uma desculpa e acabava “melando”.

Em um daqueles dias em que ela estava de bem, ele tentou novamente e, para sua surpresa, ela aceitou. Dessa vez, foram jantar em um restaurante bem bacana que tinha na cidade.

E papo vai, papo vem, Rodrigo puxou um assunto que iria render: namoro. Os dois abriram o jogo e, no final, quem se deu mal: ele ou ela?

---Juliana, acho que hoje é o último dia que a gente tem de uma relação amigável.

---Porquê, Rodrigo?

---Simplesmente porque eu não vou mais ficar fingindo ser seu amigo, quando na verdade, gostaria de ser mais do que isso.

Ela sentiu verdade nos olhos dele:

---Ah Rodrigo, não é assim.

---Como que não é assim?

---Você é um cara legal, do bem e que não merece sofrer por mim.

---Como não? Eu já sofro! Quantas vezes eu já mandei indiretas para você? Algumas que até te deixaram brava comigo.

---É verdade, várias.

---Pois é. Já faz seis meses que a gente se conhece e eu sofrendo calado desde quando nós começamos a se falar. Chega uma hora que a pessoa cansa de sofrer e tem que “jogar tudo para fora”, como estou fazendo agora.

---Poxa, não sabia que seus sentimentos por mim eram tão elevados.

---É sim.

Ela ficou calada.

---Por favor, Juliana: me dá uma chance, só uma!

---Desculpa, mas eu já te dei várias e você não soube aproveitá-las.

Foi a vez dele ficar calado.

---Sabe, eu gosto de você pra caramba, mas o problema é que você é muito brincalhão, e isso dá a impressão de irresponsabilidade.

---Mas...

Desistiu de falar o resto.

---Você reconhece?

---Sim.

---Foi por isso que você me perdeu. Sinto muito, mas entre nós não vai acontecer nada.

Ela levantou-se da mesa, parou em frente a ele, segurou suas mãos e disse:

---Você é a pessoa mais legal que eu já conheci. Eu te adoro!

Deu um beijo nele e partiu. Ele ficou sem reações e disse apenas um “tchau”.

Pelo contexto da história, tem-se uma impressão de como ele ficou mal. Mais tarde, por volta de duas horas da manhã, chegou uma mensagem em seu celular:

Muito obrigado pelos momentos que passamos juntos, mas tenho que partir. Estou indo para o exterior e acho que não volto mais. Agora você entende porque eu disse aquilo no restaurante? Saiba que você terá sempre um lugarzinho reservado no meu coração. Beijos, te gosto demais. Ju”.

Ele respondeu a mensagem apenas com:

Eu te amo, vai com Deus. Estarei aqui se você voltar”.

Daquele dia em diante, ele se fechou em seu mundo e cresceu profissionalmente. Mas era infeliz no amor, até que, ao ir à porta ver quem tinha apertado a campainha, se deparou com Juliana. Ela estava mais linda do que nunca e disse logo quando ele abriu a porta:

---Me perdoa?

---Claro! Respondeu ele com um sorriso largo.

Os dois se abraçaram demoradamente, limparam juntos suas lágrimas e recomeçava ali um grande amor do passado.













domingo, 10 de julho de 2011

Quem Disse Que o Rap não Inspira?

É... quem falou que o Rap não inspira? Inspira sim e aqui está a prova.

Esse é um projeto que elaborei há algum tempo: postar numa semana textos inspirados em musicas de Rap. E nada melhor do que essa inspiração vir de "Amanheceu" e "Filhos". Duas músicas da minha banda preferida: o Ao Cubo .

Pra quem não conhece, o Ao Cubo é um grupo de rap gospel formado por Dj Fjay, Cléber, Feijão e Dona Kelly.

Ganharam minha simpatia desde a primeira música que eu escutei e hoje sou fãzaço deles. Quer conhecer mais?

Acesse o site do grupo: http://www.aocubo3.com

Os Filhos Sempre Sofrem Mais

AO CUBO - FILHOS

Eu vou escrever pra você o que eu sempre quis dizer
Nessa carta que talvez você nunca vai receber.
Me desculpe desde já por favor
E tente entender a minha letra que a lágrima borrou.

Hoje é quinta-feira o dia tá nublado.
Nem fui para a escola, perdi a hora, acordei zuado.
Trancado aqui no quarto, vejo os albuns de retrato
De como parecia que a gente era feliz
Uma foto de nós dois abraçados e depois
Outra de um aniversario de alguns anos que fiz.

Então eu comecei a recordar nossa história
Tudo que vivemos juntos em nossa trajétoria.
Muitas glórias, muitas crises, varios planos.
Tempos felizes de uma familía em poucos anos.

Lembro perfeitamente até posso sentir
As cocégas que você fazia pra fazer eu rir.
Como ficava quando eu tirava 10 na escola.
E me levava para empinar pipa e jogar bola.
Quando me perguntava o que eu queria ser quando
crescer.
Eu dizia que queria ser como você.

Que simplesmente era o meu super-heroi
E que deixou muita saudade no meu peito que doi.
É tipo assim peço por favor tente me entender.
Quando ouvir a musica que a gente fez pra você.

Refrão\"
Sonhei, Nunca faz mal sonhar.
Busquei, alguém para me espelhar.
Achei, em Deus um pai, meu rei
Meu respirar...2x

Quando me lembro, você saindo naquela porta
As forças dos ombros, eu pedindo, \"papai volta?\"
As lágrimas caiam dos meus olhos, você enxugou,
Pegou-me no colo me deu um beijo e me abraçou.

Você prometeu pro meu irmão que voltaria.
Pelo menos uma vez por semana e nos levaria
Para matar a saudade, passear na cidade
De repente isso seria bem melhor pra a gente.
No começo foi realmente assim..
É, quase assim..

Acho que você sabe que foi duro pra mim ou pra nós..
Acho que não, você sumiu.
Nem viu sua filha crescer, foi rapido, nem sentiu

Foram poucos telefonemas, para matar quem nos matava
No final sempre com um beijo me dizia que me amava.

Ouvia uma voz de nenem bem lá no fundo
Eu sabia que você encontraria,outro mundo,
alguém para concorrer do amor que eu tanto sinto por
você
E que por telefone eu não sei dizer.

Mas de que vale o amor se o senhor não tá aqui
Pra eu poder te abraçar, te beijar e sorrir
Não sou mais aquela criança contente
Nem você aquele pai tão presente.
É tipo assim...
Peço por favor tente me entender.
Quando ouvir a musica que a gente fez para você.

Refrão\"
Sonhei, Nunca faz mal sonhar.
Busquei, alguém para me espelhar.
Achei, em Deus Um pai, meu rei
Meu respirar...2x

Eu fui crescendo, vendo meus colegas
Onde eu morava que tinha um pai em casa
mais não valorizava
A quem derá se eu tivesse essa oportunidade
De ter você aqui comigo no domingo a tarde
Pra me ensinar a dirigir
E dividir comigo tudo que \'cê\' sabe
E ser o meu melhor amigo

Mas não, foi minha mãe que fez o seu papel
Me ensinou - me a ser homem, nunca me deixou ao leo
Ela disse que o amor não pode viver com a magoa
É como o ditado do oleo que não junta com a água

Que é necessario eu te amar e esquecer todo o passado
De que vale o amor se você não tá aqui do nosso lado
Mas eu te amo e isso me doi aqui dentro
E gostaria de mostrar com atitudes o meu sentimento
Os filhos sempre são os que sofrem mais
Com a separação dos pais.

Refrão\"
Sonhei, Nunca faz mal sonhar.
Busquei, alguém para me espelhar.
Achei, em Deus Um pai, meu rei
Meu respirar...





Depois dessa música, não sei se sobrou muita coisa para eu argumentar, mas tudo bem, eu vou tentar mesmo assim.

Tratar desse assunto é muito dolorido para mim, porém, infelizmente, é a dura realidade. E quando o Ao Cubo canta que “os filhos sempre são os que sofrem mais com a separação dos pais”, posso apenas concordar.

Sou filho de pais separados desde os sete anos de idade e toda vez que volto no tempo e relembro aqueles dias que se seguiram desde a notícia até a separação de fato, fico com vontade de chorar. Desculpa, mas homem chora e não se pode esconder isso.

Ah como dói! Como doeu todo esse processo! Não importa a idade, isso não é coisa que se apaga com o tempo... Não! Isso é para toda a vida.

Não sei porque alguns são “sorteados” para enfrentar essa triste situação; não seria mais fácil se tudo fosse respeito? Mas não é... e a única coisa que podemos fazer é aprender a lidar com essa situação.

Quem viveu esse drama sabe como é chamar pelo pai e não ser respondido por ele não estar em casa. E vice-versa. No meu caso, fiquei com o meu pai nos primeiros seis meses e senti muito a falta da minha mãe. Hoje, por motivos profissionais, moro novamente com meu pai. De qualquer forma, a falta é sentida.

Como diz o refrão, nessas horas, é a Deus que temos de recorrer. Não quero entrar no tema religião, mas é verdade. Pedi muito a ajuda d’Ele naquela época e creio que ele me ajudou.

Sonhei, nunca faz mal sonhar.
Busquei, alguém para me espelhar.
Ache em Deus, um pai, meu Rei
Meu respirar.”

Termino por aqui esse texto de tema tão triste, mas que atinge muitas famílias: a separação dos pais.


 

Só Mais Uma Chance

le>
Oh Senhor, te peço apenas mais uma chance, apenas uma chance para que eu possa tentar de novo!”.

Isso é o que tenho de vontade de dizer a Ele se tivesse essa oportunidade. Não vou dizer que era perfeito, um ótimo pai, filho e companheiro; não direi isso, pois estarei mentindo, embora falar a verdade não resolva mais o meu problema. Porém, em minha defesa, posso dizer que nunca roubei, nem matei. Era apenas meu estilo.

Claro que gostaria de ter sido mais para todos que estavam ao meu redor, mas não consegui. Tentei com todas as minhas forças, mas minhas tentativas foram em vão. Sabia que só dependia de mim, mas falhei nas oportunidades que eu tive.

Acho impressionante como em um dia a gente chega e no outro vai embora (sem demora, como o ladrão que não marca hora). A vida nos reservas surpresas: umas boas e outras ruins. Eu, particularmente, tive altos e baixos (mais baixos do que alto, digamos), mas nunca perdi as esperanças, até o dia em que atravessei. É...atravessei!

Aqui, já vi tudo o que eu fiz e aprendi que não dá pra aumentar seus dias de vida, mas dá pra colocar mais vida nos seus poucos dias. Aqui, eu percebi o quanto eu fui ausente quando mais precisaram de mim. Nossa, me lembro agora de quando eu estava no bar e minha esposa chegou, na última tentativa de levar para casa: meu Deus, o que eu fiz naquela oportunidade? O que deu em mim para bater nela daquele jeito? Não sei... estava “triloco”, chapado, alcoolizado e o pior: estava drogado. Bom, pelo menos foi a única vez que usei drogas, pois horas depois tive uma overdose e vim parar aqui.

Hoje vejo o quanto a fiz sofrer com minhas atitudes. E o Kauê, meu filhote... Hoje ele tem dois aninhos; pelo menos não se lembrará do mau exemplo que o pai era em casa. Creio que crescerá melhor sem eu por perto.

Mas eu não entendo: nasci em berço de ouro, tinha tudo do bom e do melhor, até que conheci a “marvada pinga”. Praticamente meu único vício. Único, mas que me expulsou de casa, me fez perder um futuro promissor que eu teria em minha futura profissão (engenheiro) e que me distanciou da minha família.

Quando me lembro de tudo que fiz... eu choro! Sei que não vai adiantar, mas choro. E admito: homem chora!

Bom, daqui não posso fazer mais nada a não ser lamentar e me odiar pelo resto da minha morte. Uma coisa é certa: se estou aqui, é porque mereço e isso não mudará mais. Já tive a minha chance e não soube aproveitá-la.

Se eu tivesse só mais uma chance... uma, uma, uma!

*Inspirado em "Amanheceu" (Ao Cubo)

sábado, 2 de julho de 2011

A Vida e Suas Simplicidades

É incrível como a vida nos presenteia as melhores coisas da forma mais simples. E incrível como pequenas atitudes nos fazem lembrar o quanto a vida é bela e que ela tem que ser vivida com alegria, mesmo nos momentos difíceis.

Sábado, dia 25 de junho de 2011. Um sábado que eu fiz algo, digamos, anormal: tirei a tarde para ver uns vídeos no YouTube e relaxar (isso é raro!). Peguei meu fone de ouvido, subi o som e comecei com “Torn” (Natalie Imbruglia), versão acústica.

Ah, além do YouTube, estava com outra página aberta no meu Twitter. É claro que eu ia twittar todos os vídeos que eu visse. E começando com Torn, me surpreendi quando a Taís me respondeu dizendo que também gostava.

A próxima música foi “She Will Be Loved” (Marron 5), relembrando o sucesso de 2004 da banda. Concomitantemente, no twitter. Conversava sobre música com a Taís. Nisso, ela me twittou algo como: “música always”. Adivinha qual foi a próxima música?

Acertou se você disse “Always” (Bon Jovi). Ótima musica para relembrar... Ofereci para ela, que me recompensou com “Fly Away From Here” (Aerosmith). Fiquei com a sensação de ter sido muito bem recompensado, pois adorei a música. E para encerrar com chave de ouro a parte dos flashbacks de rock, assisti a “Still Loving You” (Scorpions). Sem comentários...

Saindo daí, parti para o Surf Music e comecei a ouvir Jason Mraz. Principiei com “You Fucking Did It” (sua nova música). Curti demais, ele canta super-rápido.

Próxima música: “Thinkin’ About You”. Tranquila, para relaxar mais ainda. Depois vieram “They Shaped My Life”, “Sail Away” e "What We Love Is What We Become".
Na outra janela, eu twittava todos esses links  e conversava com a Taís. E nisso, acabei descobrindo que ela gosta de Jason Mraz também. E ela também acompanhou os meus tweets e escutou junto comigo a todas as musicas. Enquanto nós escutávamos, iamos falando, conversando das músicas.
O tempo lá no Paraná ajudou (ao contrário daqui de São Paulo) e ela foi para o lado de fora de casa e ficou a contemplar o céu que, segundo ela, estava lindo. Nisso, ela tweetou que sentiu inspiração através das músicas, para escrever um conto. Eu curti essa inspiração e foi daí que me inspirei para escrever esse texto.
Foi daí que percebi como a vida é simples e que, na maioria das vezes, entrega a felicidade nas nossas mãos através de pequenas e simples ocasiões e que, também na maioria das vezes nós, sem querer, rejeitamos.
Quer coisa melhor do que você poder ver o céu e ficar em paz olhando para ele? Isso realmente inspira... Para nós que escrevemos, é um prato cheio.
Para encerrar, escutei minha música preferida: " I'm Yours" . E ela twittou:
" Com I'm Yours agora o conto sai."
Isso realmente é muito legal. Escrever é emocionante, não é?
Essa tarde foi simples, mas muito (muito!) bacana. Incrível como vídeos e uma ótima conversa com uma amiga que mora ao longe, conseguiram deixar minha tarde de sábado mais feliz.
Repito: A partir das coisas mais simples que a vida nos oferece, é que podemos encontrar a felicidade.

(Blog da Taís: http://tiiis.wordpress.com/ )

Atlântica, a Menina da Floresta

Essa é a história de alguém que era grande, muito grande e, ao longo do tempo, após conhecer várias pessoas, foi diminuindo, diminuindo... Organizada de uma forma bem bacana e de fácil entendimento, essa é a história de Atlântica.

“Atlântica, A Menina da Floresta” foi uma peça teatral que assisti no último dia 26 de junho (domingo) no Parque Citta di Maróstica, mais conhecido como a Pista de Skate de São Bernardo do Campo.

Apresentada pelo grupo “Soda Cláustica” e seus quatro integrantes, a peça fala sobre a Atlântica (que na verdade é “O” Atlântica). No início da peça, ela está bem grande (vide galeria), isso até a chegada dos portugueses, somados ao resto dos imigrantes do mundo inteiro. Com o tempo, como sabemos, o homem foi moldando o Brasil à sua maneira: cortando árvores para levar para fora do país, para fazer edifícios, shopping-centers, etc...

E isso fazendo com que a nossa Atlântica diminuísse!

Uma fala bem interessante na peça foi quando um dos integrantes disse que o Brasil é um país-mãe. E realmente é, concordo plenamente! Afinal, quem é que chega aqui e não é bem vindo? Quem é que tem que entrar clandestinamente e viver ilegalmente no nosso país? A resposta... Ninguém!

Bom, o certo é que essa simples peça serviu muito para me fazer repensar: o que eu estou fazendo para preservar a nossa Atlântica? O que eu estou fazendo para diminuir as emissões de CO² na atmosfera? E você, o que está fazendo?

São medidas simples que ainda podem salvá-la e evitar um desastre maior do que já houve até agora. Cabe a nós, somente a nós, essa dura missão. Não espere o vizinho ou o amigo fazer a parte, primeiro façamos a nossa!

Talvez assim alcançaremos o objetivo: salvar a Atlântica.

Galeria 



Olha o "tamanhozinho" do Atlântica

Chegada dos Portugueses ao Brasil


"Escravos de Jó apanhavam sem parar.."♫ (ri demais nessa hora)

Atlântica diminuindo...


E para terminar..olha "nois" aí: eu e os doutores..rsrs. O Atlântica fugiu(foi ele que tirou a foto)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget