Ela Disse Sim

Que coisa mais maluca, não? Eu já estava deitado, ouvindo a última música do dia (ou da noite, no caso) quando me surge essa inspiração maluca de escrever algo sobre ‘eu e ela’. Agora vem a parte mais difícil: o que escrever?

A música inspiradora é “Marry Me” (Train) e depois de pensar um pouco, decidi escrever sobre o dia em que a pedi em casamento. Relação total com a música, não é?

Depois de conhecê-la em uma festa começarmos a conversar, sairmos, namorar e depois noivar... Era chegada a hora da melhor e mais difícil decisão da minha vida. Digo difícil pela minha timidez, pois pedi-la em casamento exigiria uma porcentagem mínima, para não falar zero, de vergonha para tudo sair bem bacana.

Eu não sou de fazer maluquices, mas queria fazer algo diferente, que impressionasse. Sem ideias, pedi ajuda ao meu irmão. Ele pensou, pensou, pensou... E enfim me falou:

--- Mano, eu tive uma ideia, mas ela é realmente louca e você vai ter muita coragem.

--- Estou dentro!

Só para dar uma noção geral para vocês, leitores; eu tenho uma casa de campo. Ela tem dois andares e uma laje enorme que é nosso ponto oficial do “churras” de fim de mês, ou início, enfim...a hora que dá na telha. Já tiveram ideia de qual é o plano?

***


Estava um domingo ensolarado, era coincidentemente dia dos namorados e a cerveja estava geladinha. Perfeito! Perfeito também para um pedido de casamento... Na laje se encontravam eu, minha agora esposa e seus pais, meu irmão e a namorada, papai e mamãe e mais dois amigos nossos.

Quando o relógio bateu 15h, olhei para o meu irmão, que me deu uma piscadinha discreta. Fui bem para a pontinha da laje; atrás de mim, a 30 metros de altura estava o chão. Que perigo! Pigarreei e comecei a falar.

--- Pessoal, que lindo dia! Dia perfeito...perfeito para comer um churrasquinho, tomar uma cerveja e também para relembrar algumas coisas – olhei para ela. Relembrar que já faz quatro anos que estamos lado a lado; agüentando estresses e TPMs, alegrias, tristezas e tudo mais...

Parei um instante. Os olhos dela brilhavam. É lógico que ela sabia o que eu ia fazer, mas não imaginava como!

“Mano!” Fiz um sinal para ele me jogar a aliança e no momento em que a recebi, me desequilibrei; tropecei e caí.

Não consegui ver o rosto da minha agora esposa na hora do ocorrido, mas meu irmão avisou minha cunhada, que gravou o feito. Acreditem, a situação foi crítica!

O que acontece é que lá em baixo tinha um big colchão inflável e eu caí em cima dele. Rapidamente peguei uma cartolina que estava do lado do colchão e segurei-a, tampando meu rosto.

--- Siiiiiiiiiiiiim !!! Gritou ela com uma voz emocionada.

Ela estava respondendo à pergunta que estava na cartolina: “Quer Casar Comigo?”.

Hoje, sempre que vejo meu irmão, não consigo pensar de onde ele tirou aquela ideia, mas, sem dúvida, foi a maluquice mais bem recompensada da minha vida. Tenho muito a agradecê-lo pela brilhante ideia. E tem mais uma coisa: minha esposa nunca mais me deixou sozinho em um lugar alto depois do feito. Porque será? Acho que ela ficou com medo de mais surpresas.


Comentários

  1. Adorei seu texto inspirado na vida real...

    http://terratv.terra.com.br/Diversao/Hits-da-Web/Homem-da-susto-em-namorada-ao-pedila-em-casamento_4184-372177.htm

    ResponderExcluir
  2. É isso aí minha querida ;) Vc realmente achou uma parte da minha inspiração!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fala aí...

Postagens mais visitadas deste blog

Ao Lado de um Grande Homem...

Contos e Músicas: Uma parceria que deu certo

Destrua Este Diário: O Início