Ano Novo Longe da Mamãe


Depois de escrever de última hora o conto “Assassinato no Natal”, não tinha projetos de escrever nada para o ano novo. Alguns amigos até me perguntaram o porque da minha decisão. Sem respostas! Apenas não havia nada em mente.

Para o ano novo, nada de ficção. Só quero deixar aqui meu desabafo, um grito preso na garganta e que não pode ser solto. Esse é o quarto ano que passo longe da minha mãe e nesses tempos de Natal e Ano Novo, por algum motivo, sinto mais a falta dela do que senti nos últimos anos. Não que nos outros a saudade não tenha sido grande, mas é que esse ano foi diferente para mim. Alguns problemas pessoais me deixaram muito mal, abalado com a vida... E nesses momentos em que eu mais precisei daquele abraço de mãe que não tem outro igual, eu não a tive por perto.

Falando assim até parece que eu não tenho pai. Tenho sim e gosto muito dele, mas nossa relação não é tão próxima como antes, embora moremos juntos.

O grupo de rap gospel Ao Cubo diz em sua música “Filhos”, o seguinte:

“Não sou mais aquela criança contente, nem você aquele pai tão presente...”

O tempo me trouxe experiências e aprendizados e com isso aprendi a lidar com certas situações. Não que meu pai não me apóie, mas (como posso dizer?)... Sei lá! Tenho que admitir que não tenho tanto apego a ele. Sempre fui mais apegado a minha mãe e sei que isso vai durar para a vida toda.

Enfim...não vou estender esse desabafo, pois a ideia aqui não é quantidade. Apenas encerro falando da grande saudade que eu tenho da “véia” (como eu carinhosamente a chamo). Embora estejamos separados por mais de 2.000 km, no coração estamos unidos, juntos para sempre... Te amo mãe!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ao Lado de um Grande Homem...

Contos e Músicas: Uma parceria que deu certo

Destrua Este Diário: O Início