Piratas do Caribe 4 - Navegando Em Águas Misteriosas


Johnny Depp está de volta para mais uma aventura emocionante em Piratas do Caribe 4 “Navegando Em Águas Misteriosas”.

No quarto filme da série (há rumores de ela irá até o 6º filme), Depp está mais firme do que nunca e Capitão Jack Sparrow mais bêbado do que nunca (não sei se alguém notou, mas ele está bêbado nos quatro filmes!).

A história se passa com a busca de todos, menos Jack Sparrow, pela fonte da juventude. O principal interessado é o Barba Negra (Ian McShane), que já está bem idoso e quase morrendo. Parece que ele ganha na loteria e acha sua filha (pelo menos é o que se afirma): nada mais, nada menos que Angélica Malon (Penélope Cruz), a mulher que Sparrow enganou dizendo que a amava em outro filme da série. Eles se juntam para conseguir achar a fonte. Os outros participantes nessa corrida são a realeza britânica e a espanhola.

O filme vai se desenrolando e ele nos mostra que, para que a magia da fonte da juventude se realize, é preciso de dois cálices específicos (que serão achados, perdidos e roubados por Sparrow), a água da fonte e o mais difícil: uma lágrima de sereia. Mas essas são más, embora muito belas e encantadoras. Explicando melhor, as sereias se escondem na Bahia da Espuma (temida por todos os homens) e são atraídas pela luz. Elas seduzem o homem e o levam para debaixo d’água, onde se transformam em coisas feias com dentes de vampiro e olhos de gato (é estranho!). É por causa delas que as tripulações da realeza e do Barba Negra se minimizam.

Por falar em Barba Negra, na sua tripulação tem o missionário Philip Swift (Sam Caflin), que não tem o aval do “chefe”, mas é defendido, não se sabe porque, por Angélica História vai, história vem, Swift  que é o mais medroso do barco, consegue capturar uma sereia, que vai ser levada para arrancarem dela uma lágrima, o que não vai ser fácil.

Eles caminham bastante com a sereia (que é chamada de Syrena pelo religioso que começa a gostar dela) até que os carregadores tropeçam e quebram o vidro onde ela estava presa. Para a surpresa todos, e também desse que vos escreve, ela “vira” humana. Porém, não consegue andar; logo, Philip Swift se oferece para carregá-la.

Syrena é colocada dentro de uma piscina natural para soltar uma lágrima e mesmo vendo o rapaz tomando uma facada no peito, ela não chora. Então todos se escondem e  de repente, ele aprece para salva-la. Ela chora de alegria e os piratas aproveitam. Ainda rendem o rapaz e a deixam presa para morrer aos poucos.

Mais para frente, Sparrow encontra o lugar onde se encontra a fonte da juventude e descobre, na sorte como sempre, o modo de entrar. É tão mágico que a entrada é pelo teto. Quando eles chegam lá, que vão de encontro à fonte, chega a realeza britânica para fazer tumulto e o que acontece? Dá-lhe espada pra lá, espada pra cá. Nessa, o Barba Negra, que guerreia com seu maior inimigo, que também era inimigo do Capitão Jack Sparrow até o início da aventura, Capitão Hector Barbossa (Geoffrey Rush) é acertado e se desconcentra. Logo depois, Barbossa enfia a espada com toda sas suas forças nas costas do Barba Negra e vinda a perda do Pérola Negra (barco que era do Jack Sparrow) e a sua perna, que havia sido decepada. Detalhe: na espada havia veneno e Angélica, sem saber, chega perto e sem querer, corta a mão.

Nisso, os espanhóis já haviam chegado e estavam destruindo todo o lugar. Pegaram os cálices e jogaram na água e lá vai Jack Sparrow procurar o cálice. Surpresa quando Syrena (que havia sido solta pelo religioso que voltou para ajudá-la) entrega os dois cálices para ele. Ela vai embora e ele vai procurar o que resta da fonte.

Pega a lágrima e mistura com água em um cálice, e no outro, só água. Angélica e Barba Negra estão morrendo e apenas um pode viver. Depois de ouvir Sparrow falar qual era qual, Barba Negra é consumido vivo em chamas, enquanto Angélica fica novinha em folha.

Barbossa pega a espada mágica e o navio de Barba Negra e Sparrow leva Angélica para uma ilha deserta e deixa ela lá gritando e dizendo que o amava, que estava grávida dele...

O religioso cai na lábia da sereia que parecia bonzinho e é levado para o fundo do mar (fica o mistério: porque ela o levou lá para baixo, já que ela não virou aquela coisa com ente de vampiro e olhos de gato?). Confesso que me chamou grande atenção esse romance.

E o filme acaba com Sparrow e seu parceiro Gibbs (Kevin McNally) em outra ilha tentando pegar o Pérola Negra de volta e com muita bebida em um sacão levado nas costas por Gibbs.

Iaí, prontos para o próximos?


Comentários

  1. Muito boa a sua resenha.
    Tava meio sem vontade de ver o filme sem o Will e a Elizabeth, mas depois de ler isso, me animei. Acho que vou ver sim :)
    Bjs!!
    Cris

    ResponderExcluir
  2. Na parte da canção pra chamar as sereias, um pirata diz que um beijo de uma sereia pode salvar o homem do afogamento. E primeira sereia n beijou ela tentou só morder msm. Gostei do blog, falei isso porq achei interessante compartilhar kk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fala aí...

Postagens mais visitadas deste blog

Ao Lado de um Grande Homem...

Contos e Músicas: Uma parceria que deu certo

Destrua Este Diário: O Início