Amor Diferente

--- Você é bem tímido, não é?

Tudo começou com essa pergunta; nunca me esquecerei dela. Aliás, como posso esquecer as primeiras palavras que você me disse?

A resposta para essa pergunta é: simplesmente, não dá! Como posso esquecer também os nossos primeiros olhares (antes mesmo de nos falarmos pela primeira vez)? Não dá!

Com você aprendi desde o começo em dar valor aos detalhes, e é por isso que, quando puxo na mente, até consigo ouvir o doce som da sua voz falando comigo pela primeira vez. No momento, é claro que nem liguei e nunca (jamais!) imaginei que iriam acontecer tantas coisas nas nossas vidas... Realmente, foi tudo uma surpresa; uma surpresa agradável!

Desde que nos conhecemos na faculdade e nos tornamos amigos (e isso foi já na segunda conversa), seu jeito me marcou. Sei lá, talvez por você ser tão meiga, ter uma voz tão suave e doce ou pelo seu jeito carinhoso. Não sei responder. Deve ter sido um mix de tudo.

Nossa estranha mania de trocar frases marcantes por mensagem de texto nos aproximou bastante, confesso. Foi talvez uma forma que utilizamos para que permanecêssemos mais tempo juntos, e não só naquele período em que estamos na sala (ou matando aula do lado de fora, ou no bar, ou na biblioteca. Enfim...). Eu adoro isso!

Não sei se você já percebeu isso, mas a nossa química é diferente. Não consigo explicar... O que importa é que criamos uma relação carinhosa um com o outro; uma relação sem maldade, gostosa de se vivenciar.

E um ano depois de nos conhecermos, aqui estamos nós, lado a lado. O que eu tenho a fazer? Apenas agradecer a você, minha princesinha (que ainda por cima é escritora; o que aumenta ainda mais o seu charme) por estar sempre comigo.

Encerro esse texto com um simples e sincero “eu te amo”. Espero sempre podermos estar um perto do outro... minha amiga. Nosso amor é diferente, diria, surreal. Amor em forma de amizade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ao Lado de um Grande Homem...

Contos e Músicas: Uma parceria que deu certo

Destrua Este Diário: O Início